• 0
Würzburg: cultura mundial e vinho da Francônia.

Würzburg: cultura mundial e vinho da Francônia.

Würzburg, a mais bela conexão entre história, cultura e vinho. A cidade universitária e residência real, localizada em local bucólico nas duas margens do Meno, tem uma atmosfera viva e um charme simpático que a tornam especial. Ela é famosa também como centro do cultivo de vinho na Francônia e pela concentração de atrações turísticas extraordinárias de que dispõe.

Antigo bispado e jovem cidade universitária: Würzburg é considerada uma cidade barroca com o charme do sul alemão e a hospitalidade da Francônia. Obras primas da arquitetura de diferentes épocas marcam sua paisagem. A arte, a cultura e o vinho da Francônia são partes integrantes da vida de Würzburg e irradiam uma atmosfera que pode ser captada com todos os sentidos. Würzburg é um convite para fazer um passeio emocionante por épocas e estilos diferentes: as duas torres da catedral de St. Kilian já indicam de longe o caminho para a cidade. Erigida pelo bispo Bruno em 1040, ela é a quarta maior igreja romana da Alemanha, com uma extensão total de 105 metros. A Residência, Patrimônio Mundial da UNESCO, com o jardim real e a praça Residenzplatz, e a fortaleza de Marienberg, são conhecidas também como símbolos de Würzburg, assim como a ponte sobre o Meno, a Alte Mainbrücke, com as imponentes figuras de santos e seus 180 metros de extensão. Outra característica da cidade é a sua localização: elegante, nos dois lados do Meno, e em meio a vinhedos idílicos, que por si já é uma razão suficiente para visitar Würzburg. Outra razão é o vinho cultivado ali. O Bocksbeutel, com sua típica garrafa achatada e arredondada nas laterais, é uma espécie de marca registrada de toda a região. Não se sabe exatamente se a forma da garrafa foi inspirada nos cantis tradicionais, mas ela tem uma grande vantagem: as garrafas de Bocksbeutel não rolam. Por todo lado há locais originais e adegas tradicionais com comida regional, mas também excelentes restaurantes internacionais. Nem é preciso dizer que aqui se pede um Bocksbeutel para acompanhar a refeição – senão, não estaríamos em Würzburg.

O hospital Bürgerspital, no coração da cidade, é uma instituição de caridade existente já desde o século XIV para pessoas que necessitam de cuidados, mas cuidam também de outra boa tradição: o cultivo do vinho. A vinícola, que merece uma visita, é tida como berço do Bocksbeutel. O restaurante Bürgerspital Weinstuben, localizado igualmente no centro da cidade, é também o centro mundial da cultura do Bocksbeutel. Mas há outras formas de cultura pela cidade, por exemplo nos notáveis museus. Um deles fica na própria fortaleza Marienberg: ali está a maior coleção de obras em madeira do famoso entalhador e escultor Tilman Riemenschneider. O trabalho desse grande artista pode ser apreciado também no Museum am Dom, que expõe cerca de 300 quadros e esculturas do último milênio. Seu projeto é fascinante: a interpretação de temas cristãos, representados por artistas modernos e contemporâneos, como Ernst Barlach, Joseph Beuys, Otto Dix, Dina Draeger, Käthe Kollwitz, Wolfgang Mattheuer, Werner Tübke ou Andy Warhol. é confrontada diretamente com a versão dos antigos mestres – Riemenschneider, Georg Anton Urlaub, Johann Peter Wagner, Johann Zick e outros. O Museum im Kulturspeicher, no antigo porto, mostra obras ainda mais modernas nos seus 3.500 metros quadrados, desde o século XIX até a atualidade. Arte de todo o mundo para todo o mundo é o que mostra também o premiado museu Kulturspeicher, com a coleção Ruppert: arte concreta em um ambiente fora do comum. E uma coleção de arte antiga espera ser descoberta no museu Martin von Wagner. Outra descoberta vinda de Würzburg, que também merece atenção, pode parecer inicialmente um pouco fora do contexto da arte: os raios-X. No entanto, a invenção de Wilhelm Conrad Röntgen tinha por finalidade analisar e conservar diversas obras de arte. O laboratório de Röntgen, conservado com os equipamentos originais de raio-X, assim como a cidade, aguardam com ansiedade que você vá explorar tudo que ambos têm a oferecer.

Principais atrações das cidades

A antiga residência dos príncipes-bispos de Würzburg, concluída em 1780, é um dos castelos barrocos mais importantes da Europa. A decoração interior, incomum para a época, é resultado do trabalho de três gerações de artistas e artesãos vindos de toda a Europa. Os afrescos do teto na sala do trono e no saguão com as escadarias, realizados pelo veneziano Giovanni Battista Tiepolo entre 1751 e 1753, são verdadeiras obras-primas. É possível visitar a igreja real e um total de 40 recintos ricamente decorados no estilo, com uma profusão de móveis, tapeçarias, quadros e outras obras de arte do século XVIII. Leia mais

Irradiando uma aura de poder e também de elegância, no alto do Meno, a fortaleza de Marienberg é um exemplo típico de castelo medieval que foi transformado, primeiramente, em castelo renascentista e, mais tarde, em fortaleza barroca. Ela é uma das mais antigas sedes de dinastias na Alemanha: já no ano de 1000 a.C. havia aqui um burgo celta de refúgio. No ano de 706 foi abençoada nesse lugar a igreja Marienkirche e por volta de 1200 foi fundado o castelo. No pátio mais interno do castelo é possível visitar o museu da construção real, que engloba a sala dos príncipes e a câmara do tesouro e de paramentos dos príncipes-bispos, além de móveis, tapeçarias e quadros valiosos.

Localizada em um belíssimo pátio interno, em plena cidade de Würzburg – e conhecida também como berço da "Bocksbeutel", a garrafa bojuda, típica dos vinhos da região – a Bürgerspital é uma vinícola de primeira, moderna, mas comprometida com a qualidade e a tradição de quase 700 anos. São típicas suas adegas de diferentes tamanhos e tetos abobadados – a Sternstube, a Alte Weinstube ou a Teufelskeller. A adega no porão também transporta o visitante aos bons velhos tempos. É nela que está um dos maiores depósitos de barris de madeira da Alemanha, com 220 velhos barris de carvalho alemão. Nos túneis da adega há 750.000 litros de vinho armazenados – desde a venerável safra de 1893 até o corajoso "Jungwein", o vinho jovem.

No Kulturspeicher, um prédio antigo do porto, à beira do centro histórico, além do museu, encontram-se também as salas "Bockshorn" e "tanzSpeicher".

A primeira é um espaço dedicado principalmente à comédia, "chanson" e música, sendo que a maioria dos artistas que se apresenta aqui já tem um certo grau de popularidade. O tanzSpeicher é um espaço usado tanto para espetáculos externos como para apresentações de sua própria companhia. O museu expõe, em cerca de 3.500 metros quadrados, uma coleção de obras dos séculos XIX a XXI, e a coleção de arte concreta de P. C. Ruppert.

Exibir mais