Região do Ruhr
Vibrant Towns & Cities

Lifestyle, culture and leisure

Região do Ruhr: dos altos fornos para a alta cultura.

A antiga mina de carvão da Alemanha, um dos maiores centros urbanos da Europa, com cinco milhões de habitantes, é hoje um dos cenários culturais mais densos de todo o continente. Com as metrópoles Bochum, Dortmund, Duisburg, Essen e Oberhausen e muitas outras cidades, a Região do Ruhr forma um espaço urbano característico, repleto de surpresas.

A região do Ruhr fica às margens do rio Ruhr? Não apenas do Ruhr e talvez essa seja a primeira surpresa: além do Ruhr, que limita a fronteira sul do estado que leva seu nome, os rios Emscher e Lippe também marcam a antiga zona industrial. Mas não importa a beira de que rio estejam localizadas, todas as cidades grandes e pequenas da região têm algo em comum: todas conseguiram realizar com maestria a transição da indústria para a cultura. Desde o ano em que foi capital cultural europeia com o RUHR.2010, essa mudança de papéis ficou evidente na região, tornou-se uma realidade marcante e também uma nova identidade. E isso não só nas "Big Five", as cinco maiores cidades, Duisburg, Oberhausen, Essen, Bochum e Dortmund, mas em todas as mais de 50 cidades da região do Ruhr. Grandes eventos internacionais, como a Trienal do Ruhr, o Festival de Piano do Ruhr e o festival Ruhrfestspiele, abrangem toda a região e apresentam o que há de mais interessante atualmente nos palcos e nas salas de concertos. O complexo de museus RuhrKunstMuseen forma o mais denso cenário de museus de arte moderna do mundo: 20 museus em 15 cidades, todos apenas a poucos quilômetros de distância uns dos outros. E eles são parte de uma rede que inclui cerca de 200 museus, sendo o mais antigo da região metropolitana o Museu de Arte e História da Arte em Dortmund, inaugurado em 1883, e o maior deles o Museu Folkwang, com cerca de 800.000 visitantes por ano. E tudo isso faz parte também de um processo ainda mais importante de surgimento de uma nova região cultural, que consegue, porém, honrar, respeitar e conservar sua grande herança industrial. Transformação através da cultura e cultura através da transformação, instalações industriais transformadas em palcos e uma população que percorre esse novo caminho com entusiasmo: isso é a região do Ruhr.

Os sinais visíveis da herança industrial continuam lá, os altos fornos, os gasômetros e as torres. E eles marcam o perfil da região de Ruhr até hoje, ainda que ali não se explore mais o carvão, mas sim o teatro, a música, a pintura, a dança, as performances e muito mais. No "Roteiro da Cultura Industrial" esses sinais podem ser vistos até hoje: um circuito com extensão de 400 quilômetros através da região do Ruhr, de Duisburg até Hamm e Hagen, ao longo de 54 testemunhos excepcionais do passado industrial e do presente. Um dos melhores exemplos está em Duisburg: o parque Duisburg-Nord, onde surgiu um parque multifuncional de dimensões totalmente novas onde antes havia ruínas industriais. Nele estão o maior centro artificial de mergulho da Europa, o antigo gasômetro, jardins para alpinismo e muito mais coisas que quase ninguém espera encontrar em uma metrópole industrial. Oberhausen, logo ao lado, com o gasômetro entre o canal Reno-Herne e o enorme shopping e centro de lazer CentrO, redescobriu seu antigo símbolo: um gigante de aço, uma antiga fábrica de carvão construída em 1929 e hoje provavelmente um dos mais extraordinários salões de exposições da Europa. Essen, que pode ser vista como uma espécie de região central da capital cultura RUHR.2010, tem na Zeche Zollverein não só um patrimônio mundial da UNESCO, mas também o símbolo perfeito da transformação de toda a região. Outra atração talvez menos espetacular, mas igualmente interessante, é o "tesouro de Essen", a "Goldene Madonna" (Madonna dourada), parte do tesouro da catedral de Essen. A mais antiga escultura de Maria do mundo e uma das mais importantes obras de arte do início da Idade Média é ao mesmo tempo de uma simplicidade tocante e de uma beleza de tirar o fôlego. Já o museu red dot design, com a maior coleção de design contemporâneo do mundo, mostra objetos cult mais mundanos. Cerca de 1.000 ícones do design, premiados com o cobiçado prêmio internacional red dot design award, estão distribuídos em mais de 4.000 metros quadrados.

Também a poucos quilômetros de distância, em Bochum, pode-se admirar o palco central da Trienal do Ruhr poder ser apreciado, o Jahrhunderthalle, um dos primeiros exemplos de uma engenharia moderna, funcional, e um dos símbolos da nova região do Ruhr. O Museu Alemão de Mineração, o maior do gênero, lembra que Bochum já foi uma cidade em que as chaminés soltavam fumaça e os altos fornos queimavam. Ali, mais de 400.000 visitantes por ano descem às minas subterrâneas, ou sobem na torre de transporte, cuja vista de Bochum e da região, do alto dos seus 63 metros, é extraordinária. E por falar em Trienal de Ruhr, essa festa do mundo internacional da arte acontece todos os anos. O nome deve-se à troca da direção artística, que acontece a cada três anos. E no que diz respeito a Bochum: a cidade que já teve a maior quantidade de minas na região do Ruhr é hoje a que tem mais teatros. E é o centro das baladas e bares de toda a região. Quem já afundou no Triângulo de Bermudas não esquece isso tão depressa. Mas é possível ver estrelas também no planetário de Bochum, o Zeiss-Planetarium. Uma letra que simboliza Dortmund: chegando à cidade, o visitante já vê de longe um enorme "U" no horizonte. Conhecido como o "U de Dortmund", o antigo prédio da fermentação e dos armazéns da cervejaria Union Brauerei é hoje o novo centro de arte, criatividade e gastronomia. Desde 1962, o "U" dourado de nove metros de altura está instalado sobre o seu telhado como marca da cervejaria e um símbolo que brilha sobre a cidade. Outro símbolo de Dortmund, o Borussia, joga a apenas poucos quilômetros de distância. Um pouco mais distante, a sudoeste da cidade, fica a nascente do Emscher. Ele já foi considerado o rio mais poluído da Alemanha, mas hoje foi recuperado. À custa de muitos esforços, surgirá ali até 2020 uma nova paisagem encantadora, o que também é um símbolo da nova região do Ruhr: do passado para o futuro. E aproveitando o presente. Resumindo: você vai adorar essa nova região.

Descubra no mapa a Alemanha como destino turístico

Adicione aqui os seus favoritos. Você pode salvar, selecionar, separar e imprimir a sua seleção e planejar toda a sua viagem na Alemanha.

0 favoritos selecionados

O que outros turistas do mundo inteiro dizem

Blutenfest des Rotes Moselweinbergpfirsich

ROZE LENTE IN COCHEM

We hebben éven moeten oefenen, maar na een tijdje rolde Rote Moselweinbergpfirsich vanzelf uit onze mond. Toch kan je in Cochem ook gewoon Rud Peesche zeggen, het plaatselijke dialect voor deze kleine perzik met haar robijnrode vruchtvlees die overal in de Moezelvallei groeit. Terwijl de wijngaarden er nog kaal bijliggen, zijn de roze bloemen van de Moezel-Wijnbergperzik al een fleurige voorbode van de lente. Goed nieuws voor de plaatselijke wijnboeren dus, maar ook voor al wie dol is op perziken, want dan wordt er in Cochem smakelijk gefeest.

Leia mais »

werner.gladines@gmail.com

Saarbrucken

LANGS DE TAFELS VAN SAAR (LEKKER) LAND

Voor de ene is het een stukje Frankrijk in Duitsland, voor de andere is het een stukje Duitsland dat ook in Frankrijk niet zou misstaan. Wij houden het bij typisch Duits met een stevige Franse twist: Saarland. De kleinste Duitse deelstaat ging een paar keer over en weer tussen beide landen, was tweemaal op zichzelf en werd in 1957 definitief bij Duitsland ingelijfd. Het resultaat is een grensoverschrijdende kruisbestuiving van savoir-vivre en savoir-faire die zich vooral in de lokale gastronomie laat gelden. Wij trokken in Saarland letterlijk van de ene rijk gedekte tafel naar de andere, gingen er tafeltoeren en lieten ons galant overtuigen van het feit dat je van 'een schone tafel' wél kan eten.

Leia mais »

werner.gladines@gmail.com

Crazy SB Waschsalon

Crazy SB Waschsalon

Quando estamos viajando, nada como ter uma lavanderia perto para as horas de aperto. Não tem como não notar essa lavanderia toda "modernosa". Crazy SB Waschsalon chama a atenção por suas centenas de meias penduradas. Uma decoração perfeita para o ambiente. Eu não cheguei a lavar nenhuma roupa na minha estádia em Dresden, mas se ficasse mais uns dias, teria voltado lá de certeza. Fica na Louisenstraße 6, aberto todos os dias das 06h - 23h.

Leia mais »

martinha@viajoteca.com

Travel Bookshop

Travel Bookshop - para os apaixonados por viagem

As coisas mais legais, sem dúvidas eu encontrei em Neustadt. É a região mais alternativa e legal de Dresden. Foi lá que eu vi uma das Lojas de Livros de Viagem mais legais. É aquela loja/livraria/papelaria que você vai querer comprar tudo. Passei uma boa hora lá dentro, folheando (porque ler em alemão, nem em sonho!) todos os guias, livros. Comprei uns postais lindos. Bobeei por não ter comprado uns mapas antigos, eram lindos.

Leia mais »

martinha@viajoteca.com

Schwebebahn

Schwebebahn

Para ter uma vista incrível de Dresden, vale muito a pena pegar o monorail em Loschwitz. Além de ver a cidade, você ainda terá uma vista privilegiada da Ponte Azul - Blaueswunder.

Leia mais »

martinha@viajoteca.com

Kunsthofpassage

1000 e 1 passagem

Em Neustadt tem a Kunsthofphpassage, que é uma passagem incrível. Ela tem vários prédios "temáticos". O azul por exemplo quando chove, a água nos canos vira música. Fora os prédios, ainda tem várias lojas bacanas e cafés charmosos para você aproveitar. #youngDresden #mustsees #shopping #cafés

Leia mais »

martinha@viajoteca.com

Obras incríveis

Albertinum: um museu de arte moderna de 125 anos, que foi reaberto em 2010, após uma reforma de 51 milhões de euros. A coleção de retratos começa com um dos pintores alemães mais românticos, Caspar David Friedrich, e termina com seu artista vivo mais famoso, Gerhard Richter, sendo que ambos passaram a infância em Dresden. Você vai encontrar desde a Bailarina de Degas, a Monet, Manet, Rodin, Van Gogh. A entrada Vista 10€

Leia mais »

martinha@viajoteca.com

Zwinger Palace

O Chateau de Versailles de Dresden

O Zwinger Palace é um dos melhores exemplos da arquitetura barroca tardia na Alemanha. Construído entre 1710 e 1728 pelo arquiteto Pöppelmann, o Palácio Zwinger foi usado para grandes festas e torneios. Hoje, o complexo barroco de pavilhões, galerias e pátios interiores é a casa de grandes museus e obras. A Madonna Sistina de Rafael você encontrará lá. O acervo de Porcelana tambem é belíssimo. O Arsenal também é muito interessante se você curte trajes e armas. Se você não quiser entrar em nenhum museu, vá pelo menos para andar pelos jardins e admirar o "Kronentor", que é o portão com a coroa.

Leia mais »

martinha@viajoteca.com


Controle de site acessível

Dois atalhos úteis para o zoom no seu navegador:

Aumentar: +

Diminuir: +

No seu navegador, você encontra mais informações clicando o ícone: