Estrada dos Direitos Humanos e da Democracia na Turíngia ©Wartburg-Stiftung Eisenach
Rotas de férias de A a Z
A Estrada dos Direitos Humanos e da Democracia na Turíngia

Rota dos Direitos Humanos e da Democracia na Turíngia

A Estrada dos Direitos Humanos e da Democracia na Turíngia, criada por ocasião do 20º aniversário da constituição da Turíngia de 25 de outubro de 1993, liga atualmente 20 locais históricos de destaque, como Worbis, Jena, Altenburg, Greiz ou Gotha. O roteiro é complementado por locais memoriais e museus da zona da fronteira com a antiga Alemanha Oriental.

Quem pensa em direitos humanos e democracia na Turíngia, não pode deixar de lembrar de Wartburg ou Weimar. Mas ainda há muito mais. A Estrada dos Direitos Humanos e da Democracia na Turíngia apresenta de forma exemplar uma série de acontecimentos, locais e pessoas que deveriam estar gravados na memória coletiva de todos os que hoje vivem nessa região, para que sua lembrança não seja perdida nas próximas gerações.

Foi um caminho difícil

A rota transmite a imagem de um estado onde a coragem dos cidadãos, os direitos humanos e a democracia contam uma história que deve ser preservada. Os vestígios da história, porém, nem sempre são identificáveis à primeira vista. Há muitos testemunhos ocultos, ou imperceptíveis do desenvolvimento da democracia e dos direitos humanos. Conheça esses lugares: uma praça na qual as pessoas se encontravam para formar uma união contra arbitrariedades ditadas pelo poder; um esconderijo que protegia pessoas perseguidas, ou uma casa que se tornou ponto de encontro de correligionários para discutir o desenvolvimento da sociedade.

Locais para lembrar de acontecimentos históricos

Um deles é o Schwarzburg, perto de Rudolstadt, onde o presidente do Reich, Friedrich Ebert, assinou a Constituição de Weimar em 1919, constituindo o primeiro regime democrático em território alemão. Outro nome importante é Hugo Dornhofer (1896–1977), de Heiligenstadt, um democrata inabalável que enfrentou duas ditaduras. Sem esquecer dos protestos de multidões em 17 de junho de 1953, no Holzmarkt, em Jena, ou do 5º “Thüringer Volkstag” em Grossbreitenbach, que reuniu milhares de cidadãos em uma mistura de atividade política e festa popular, além de fazer parte da cultura revolucionária de 1848. Um testemunho inesquecível é o monumento Point Alpha, em Geisa, ou a primeira manifestação privada registrada e oficialmente autorizada em toda a Alemanha Oriental, no outono das mudanças políticas de 1989, em Greiz.

Uma boa ideia

Há muitos lugares na Turíngia onde os direitos humanos foram violados, mas onde também se defendeu a democracia.

Faça uma viagem emocionante e interessante em busca das raízes da democracia e dos direitos humanos e descubra a longa tradição e os diversos aspectos da luta pela democracia e pelos direitos humanos na Turíngia.

Estrada dos Direitos Humanos e da Democracia na Turíngia

Tema: Democracia e direitos humanos

Destaques:
Altenburg: presbitério na Brüdergasse
Asbach-Sickenberg: museu da zona de fronteira “Schifflersgrund”
Bad Langensalza: campo de concentração do complexo de Buchenwald
Eisenach: Wartburg
Erfurt: Parlamento da Turíngia, Topf & Söhne, convento Augustinerkloster
Mödlareuth: Deutsch-Deutsches Museum
Nordhausen: Memorial do campo de concentração Mittelbau-Dora
Teistungen: museu da zona de fronteira Eichsfeld
Weimar: Nationaltheater, memorial do campo de concentração de Buchenwald
Worbis: “Kofferdemo”, passagem da fronteira

www.thueringen.de

Controle de site acessível

Dois atalhos úteis para o zoom no seu navegador:

Aumentar: +

Diminuir: +

No seu navegador, você encontra mais informações clicando o ícone: