• 0
Região do Ruhr: dos altos fornos para a alta cultura.

Região do Ruhr: dos altos fornos para a alta cultura.

A antiga mina de carvão da Alemanha, um dos maiores centros urbanos da Europa, com cinco milhões de habitantes, é hoje um dos cenários culturais mais densos de todo o continente. Com as metrópoles Bochum, Dortmund, Duisburg, Essen e Oberhausen e muitas outras cidades, a Região do Ruhr forma um espaço urbano característico, repleto de surpresas.

A região do Ruhr fica às margens do rio Ruhr? Não apenas do Ruhr e talvez essa seja a primeira surpresa: além do Ruhr, que limita a fronteira sul do estado que leva seu nome, os rios Emscher e Lippe também marcam a antiga zona industrial. Mas não importa a beira de que rio estejam localizadas, todas as cidades grandes e pequenas da região têm algo em comum: todas conseguiram realizar com maestria a transição da indústria para a cultura. Desde o ano em que foi capital cultural europeia com o RUHR.2010, essa mudança de papéis ficou evidente na região, tornou-se uma realidade marcante e também uma nova identidade. E isso não só nas "Big Five", as cinco maiores cidades, Duisburg, Oberhausen, Essen, Bochum e Dortmund, mas em todas as mais de 50 cidades da região do Ruhr. Grandes eventos internacionais, como a Trienal do Ruhr, o Festival de Piano do Ruhr e o festival Ruhrfestspiele, abrangem toda a região e apresentam o que há de mais interessante atualmente nos palcos e nas salas de concertos. O complexo de museus RuhrKunstMuseen forma o mais denso cenário de museus de arte moderna do mundo: 20 museus em 15 cidades, todos apenas a poucos quilômetros de distância uns dos outros. E eles são parte de uma rede que inclui cerca de 200 museus, sendo o mais antigo da região metropolitana o Museu de Arte e História da Arte em Dortmund, inaugurado em 1883, e o maior deles o museu Folkwang, com cerca de 800.000 visitantes por ano. E tudo isso faz parte também de um processo ainda mais importante de surgimento de uma nova região cultural, que consegue, porém, honrar, respeitar e conservar sua grande herança industrial. Transformação através da cultura e cultura através da transformação, instalações industriais transformadas em palcos e uma população que percorre esse novo caminho com entusiasmo: isso é a região do Ruhr.

Os sinais visíveis da herança industrial continuam lá, os altos fornos, os gasômetros e as torres. E eles marcam o perfil da região de Ruhr até hoje, ainda que ali não se explore mais o carvão, mas sim o teatro, a música, a pintura, a dança, as performances e muito mais. No "Roteiro da Cultura Industrial" esses sinais podem ser vistos até hoje: um circuito com extensão de 400 quilômetros através da região do Ruhr, de Duisburg até Hamm e Hagen, ao longo de 54 testemunhos excepcionais do passado industrial e do presente. Um dos melhores exemplos está em Duisburg: o parque Duisburg-Nord, onde surgiu um parque multifuncional de dimensões totalmente novas onde antes havia ruínas industriais. Nele estão o maior centro artificial de mergulho da Europa, o antigo gasômetro, jardins para alpinismo e muito mais coisas que quase ninguém espera encontrar em uma metrópole industrial. Oberhausen, logo ao lado, com o gasômetro entre o canal Reno-Herne e o enorme shopping e centro de lazer CentrO, redescobriu seu antigo símbolo: um gigante de aço, uma antiga fábrica de carvão construída em 1929 e hoje provavelmente um dos mais extraordinários salões de exposições da Europa. Essen, que pode ser vista como uma espécie de região central da capital cultura RUHR.2010, tem na Zeche Zollverein não só um patrimônio mundial da UNESCO, mas também o símbolo perfeito da transformação de toda a região. Outra atração talvez menos espetacular, mas igualmente interessante, é o "tesouro de Essen", a "Goldene Madonna" (Madonna dourada), parte do tesouro da catedral de Essen. A mais antiga escultura de Maria do mundo e uma das mais importantes obras de arte do início da Idade Média é ao mesmo tempo de uma simplicidade tocante e de uma beleza de tirar o fôlego. Já o museu red dot design, com a maior coleção de design contemporâneo do mundo, mostra objetos cult mais mundanos. Cerca de 1.000 ícones do design, premiados com o cobiçado prêmio internacional red dot design award, estão distribuídos em mais de 4.000 metros quadrados.

Também a poucos quilômetros de distância, em Bochum, pode-se admirar o palco central da Trienal do Ruhr poder ser apreciado, o Jahrhunderthalle, um dos primeiros exemplos de uma engenharia moderna, funcional, e um dos símbolos da nova região do Ruhr. O Museu Alemão de Mineração, o maior do gênero, lembra que Bochum já foi uma cidade em que as chaminés soltavam fumaça e os altos fornos queimavam. Ali, mais de 400.000 visitantes por ano descem às minas subterrâneas, ou sobem na torre de transporte, cuja vista de Bochum e da região, do alto dos seus 63 metros, é extraordinária. E por falar em Trienal de Ruhr, essa festa do mundo internacional da arte acontece todos os anos. O nome deve-se à troca da direção artística, que acontece a cada três anos. E no que diz respeito a Bochum: a cidade que já teve a maior quantidade de minas na região do Ruhr é hoje a que tem mais teatros. E é o centro das baladas e bares de toda a região. Quem já afundou no Triângulo de Bermudas não esquece isso tão depressa. Mas é possível ver estrelas também no planetário de Bochum, o Zeiss-Planetarium. Uma letra que simboliza Dortmund: chegando à cidade, o visitante já vê de longe um enorme "U" no horizonte. Conhecido como o "U de Dortmund", o antigo prédio da fermentação e dos armazéns da cervejaria Union Brauerei é hoje o novo centro de arte, criatividade e gastronomia. Desde 1962, o "U" dourado de nove metros de altura está instalado sobre o seu telhado como marca da cervejaria e um símbolo que brilha sobre a cidade. Outro símbolo de Dortmund, o Borussia, joga a apenas poucos quilômetros de distância. Um pouco mais distante, a sudoeste da cidade, fica a nascente do Emscher. Ele já foi considerado o rio mais poluído da Alemanha, mas hoje foi recuperado. À custa de muitos esforços, surgirá ali até 2020 uma nova paisagem encantadora, o que também é um símbolo da nova região do Ruhr: do passado para o futuro. E aproveitando o presente. Resumindo: você vai adorar essa nova região.

Principais atrações das cidades

O Planetário Zeiss, em Bochum, foi construído em 1964 e desde essa época é uma das instalações mais modernas do gênero no mundo.

Um projetor central lança a imagem das estrelas sob a cúpula, dando ao visitante uma impressão realista do céu. Em torno da sala de projeção há um corredor onde são realizadas exposições permanentes e alternantes. Em maio de 2010, o planetário foi reinaugurado depois de passar por uma reforma durante quatro meses, sendo agora o primeiro planetário do mundo com projeção Velvet-Full-Dome.

As casas do povoado Dahlhauser Heide foram construídas entre 1906 e 1915 como colônia modelo para os trabalhadores das vizinhas minas de Hannover. O povoado, conhecido popularmente também como "Kappeskolonie", é um dos mais bonitos na região do Ruhr e foi projetado e realizado como cidade-jardim pelo arquiteto da tradicional família Krupp, Robert Schmoll. A maioria das casas de Dahlhauser Heide foi construída segundo o mesmo princípio: a sala e a cozinha ficam no térreo, enquanto as escadas levam a dois quartos no primeiro andar. Para garantir a própria subsistência, cada uma das casas para duas famílias tinha um jardim com horta.

Com sua construção de estruturas leves de aço, o salão Jahrhunderthalle, em Bochum, é um dos primeiros exemplos de engenharia voltada para objetivos práticos. Depois de passar por uma reforma cuidadosa, ele tornou-se um símbolo para uma solução arquitetônica bem sucedida entre o tradicional e o moderno – e também uma marca da nova região do Ruhr. Por fora, a fachada histórica brilha com novos elementos arquitetônicos, enquanto o interior surpreende com recursos técnicos modernos e fascinantes para a realização de eventos. Três diferentes salões oferecem espaço para banquetes, apresentações, concertos, grandes peças de teatro e pequenas peças experimentais.

O Triângulo das Bermudas, ou "Bermudadreieck", no centro de Bochum é a maior e mais famosa zona de restaurantes e, principalmente, bares na região do Ruhr. Ele começa cerca de 200 metros ao leste da estação central e é uma espécie de prolongamento ao sul da zona de pedestres no centro de Bochum,. Além de diversos barzinhos, muitos com mesas ao ar livre (conhecidos como "Biergarten"), há também cerca de 30 restaurantes de categorias, preços e estilos totalmente diferentes. A bebida preferida é a cerveja, mas há quem tome também coquetéis. A salsicha "Currywurst" aqui é tão boa quanto em Berlim. E não pode faltar quando se passa uma noite no Triângulo das Bermudas.

Exibir mais
Eventos

Ruhrtriennale – Festival of the Arts

Music, dance, theatre, performance and fine arts in the former industrial buildings of the Ruhr Area: that’s the Ruhrtriennale.

The venues of the Ruhrtriennale are the region’s outstanding industrial monuments, transformed each year into spectacular sites for impressive arts productions. At the centre of all this are contemporary artists seeking a dialogue with industrial spaces and between the disciplines. World premieres and new works are the essence of the programme which makes visiting the Ruhrtriennale an incomparable event. Every season, festival productions from the Ruhr region go on tour around the world.

Próximas datas:

21.08.2019 - 29.09.2019

21.08.2019 - 29.09.2019

21.08.2019 - 29.09.2019

21.08.2019 - 29.09.2019

21.08.2019 - 29.09.2019

Local do evento

Jahrhunderthalle Bochum
An der Jahrhunderthalle 1
44793 Bochum

Organizador do evento

Ruhrtriennale
Gerard-Mortier-PLatz 1
44795 Bochum
Fon: +49 (0)234 97 483 300
info@ruhrtriennale.de

Todas as informações sobre preços, datas e horários de abertura estão sujeitas a alteração.

Apresentações e eventos

Buscar eventos
(em alemão e inglês)
Outros critérios de busca
Redefinir tudo