• 0

Bielefeld: cidade comercial com talento artístico.

Bielefeld foi fundada em 1214 pelo Conde Hermann von Ravensberg. Homem de grande visão, ele reconheceu já na época a localização vantajosa no cruzamento de antigas rotas comerciais, na proximidade direta de uma passagem pela floresta de Teutoburgo. Surgiu assim uma típica cidade comercial com um grande mercado e belas casas de enxaimel – o que marca Bielefeld até hoje, além do senso artístico de seus habitantes.

Muitos comerciantes souberam usar as liberdades concedidas pelo senhor feudal na nova cidade, marcando desde o início os rumos que Bielefeld tomaria. O comércio com tecidos e linho, artigos muito procurados na época, deu à cidade um grande prosperidade, cujo testemunho se encontra ainda hoje na praça Alte Markt, na antiga prefeitura e na igreja Nicolaikirche, no centro histórico. A transformação, mais tarde, de cidade comercial para industrial também marcou o perfil da cidade: surgiram novos bairros residenciais, com seus edifícios característicos de dois a três andares. Prédios representativos, como a nova prefeitura e o teatro, o correio ornamentado com motivos renascentistas e a estação ferroviária em estilo "art-noveau", surgiram nos primeiros anos do século XX. No ano de 1930 foi construído a Rudolf-Oetker-Halle, uma sala de concertos extraordinária, cuja arquitetura muda entre o classicismo e a escola da Neue Sachlichkeit, que prima pelo racionalismo, e que ficou famosa por sua acústica. No final do século XX, novas obras vieram acentuar a importância cultural da cidade: Kunsthalle, Stadthalle, Seidensticker Halle e o Historisches Museum e o Museum Huelsmann, instalados na Ravensberger Spinnerei, uma antiga tecelagem.

Desde 1969, Bielefeld tornou-se também cidade universitária. A maior das seis universidades da cidade fica à beira da floresta de Teutoburgo; ponto de encontro principal e destaque arquitetônico é o saguão de 300 metros de comprimento, a Große Halle. Destaques bem diferentes são as festas tradicionais realizadas em Bielefeld. Em maio, acontece no centro histórico a festa popular de Leinewebermarkt, que dura vários dias, e em julho, é a vez da festa medieval no castelo de Sparrenburg, sem esquecer da festa do vinho, em setembro, também no centro histórico. O ano termina tradicionalmente com a Feira de Natal, que é realizada no centro histórico, emoldurada por mais de 100 casas de enxaimel decoradas especialmente para a festa. Outra tradição típica de Bielefeld é a corrida Hermannslauf, uma corrida popular cujo trajeto vai do monumento a Hermann, em Detmold, através da floresta de Teutoburgo até o castelo de Sparrenburg, em Bielefeld. Mas não se preocupe, você também pode explorar o Sparrenburg sem precisar correr. Aliás, não só o castelo, mas toda a cidade. Vá devagar e faça grandes descobertas.

Principais atrações das cidades

Coroando a cidade, sobre a colina de Sparrenberg, a imagem do castelo Sparrenburg é o marco magnífico de Bielefeld. Essa marcante fortaleza está situada diretamente em uma das mais belas trilhas de caminhadas da Alemanha, a Hermannsweg, com 156 quilômetros de extensão. Construída em meados do século XIII pelo Conde de Ravensberg, o castelo era a sede administrativa e residência do senhores feudais e protegia a cidade e a rota comercial do desfiladeiro de Bielefeld. A visita aos 300 metros de túneis subterrâneos, que pode ser feita de abril a outubro, é tão impressionante quanto a maravilhosa vista panorâmica da cidade e dos seus arredores.

O Kunsthalle Bielefeld é um museu e sala de exposições de arte moderna e contemporânea.

O importante acervo de arte do século XX inclui obras de Picasso, Sonia e Robert Delaunay, Max Beckmann, Man Ray, pintores de grupos como Brücke e Blauer Reiter, mas principalmente projetos com Picasso já foram expostos aqui cinco vezes. Todos os anos, no último sábado de abril, uma noite dedicada às artes convida para os chamados "Encontros de arte em Bielefeld". Mais de 40 museus, igrejas e galerias abrem suas portas durante a longa Noite dos Museus, oferecendo uma viagem artística noturna aos seus visitantes, mostrando um lado fascinante da cultura da cidade.

Até hoje, a sala Rudolf-Oetker um símbolo de cidadania, engajamento exemplar e do grande valor que a vida cultural sempre teve nessa metrópole da Vestfália. Em 1925, a família Oetker procurou o governo municipal de Bielefeld com uma nobre proposta: ela queria financiar a construção de uma grande sala de concertos na sua cidade natal – em memória ao Dr. Rudolf Oetker, morto em 1916 durante a 1a. Guerra Mundial, amante da música e filho do fundador da tradicional empresa. Mais que isso, a sala deveria ser dedicada „àqueles que estão vivos, para que se alegrem e enalteçam com as obras musicais“, como diz uma placa na sua entrada.

Construída entre os anos de 1855 a 1857. No século XIX e início do século XX, a Ravensberger Spinnerei era uma das maiores fiações de linho da Europa. Em frente ao prédio da sede fica o Parque Rochdale, criado em 1978 em homenagem aos 25 anos de parceria com a cidade-irmã inglesa Rochdale. Toda a área em torno da fiação Ravensberger acabou por se tornar um ponto de encontro para os amantes da cultura. Além das exposições no Museu Histórico e da coleção de arte artesanal na Fundação Huelsmann, eventos culturais de todos os tipos são realizados aqui, desde concertos até comédias.

Exibir mais