• 0
Magic Cities de A a Z

Leipzig. Cidade de heróis e beleza com boas notas.

A musicalidade dos habitantes de Leipzig fica evidente até no fato de que foi daqui que foi dado o ritmo para a revolução pacífica de 1989. Depois das mudanças políticas que entraram para história com a expressão "die Wende", Leipzig recebeu o título de "Heldenstadt" (cidade de heróis) – o que poderia ser dito também de seus grandes músicos, maestros e compositores, que continuam tão presentes e populares aqui como talvez em nenhum outro lugar.

Deve ser algo muito especial que faz o tempo em Leipzig passar conforme as notas musicais. E isso tem uma tradição literalmente notável: desde 1254, o ano em que documentos mencionam pela primeira vez o coro Thomanerchor, um dos coros de meninos mais antigos do mundo, a música criou raízes nos corações das pessoas e nos veneráveis muros da cidade. É o caso da Gewandhaus, sede da orquestra criada em 1743 com o mesmo nome, a Gewandhausorchester, que durante muito tempo foi dirigida pelo maestro Kurt Masur, o semblante da revolução pacífica. Os impressionantes órgãos da casa produzem um efeito sonoro inesquecível, com seus 6.638 tubos. Ou a maravilhosa ópera, uma das mais antigas da Europa, famosa pelo seu repertório do barroco até o moderno. Quem nunca deixa de ser moderno em Leipzig, mesmo com o passar do tempo, é Johann Sebastian Bach, o mais famoso cantor solista da igreja Thomaskirche, assim como Richard Wagner, natural de Leipzig, e Felix Mendelssohn Bartholdy, que fundou aqui o primeiro conservatório alemão, em 1843, ou ainda Robert Schumann e Clara Wieck, que fascinaram a cidade tanto como músicos como par amoroso. Os habitantes de Leipzig têm também um caso de amor apaixonado com um dos cafés mais antigos da Europa: desde 1711, o Zum Arabischen Coffe Baum é o ponto de encontro predileto de religiosos e outras grandes personalidades. Bach, Schumann, Liszt, Grieg, Wagner e outros frequentaram a casa. E a lista inclui também Goethe e Lessing, além de Napoleão e Augusto, o Forte. Uma prova de que Leipzig atraía e atrai gente de todos os tipos, não só músicos e compositores.

Quem visitar o local, não deve deixar de ver também o terceiro andar do Zum Arabischen Coffe Baum, onde fica o maravilhoso Museu do Café. Distribuídos por 15 salas, mais de 500 objetos expostos contam a história de 300 anos do café e da cultura na Saxônia. E quem preferir se aprofundar na tradição musical de Leipzig, vai se encantar com o Museu de Instrumentos Musicais: ele mostra uma das coleções do gênero mais importantes do mundo e permite descobrir numerosos detalhes da história musical da cidade.

Por outro lado, um ritmo bem diferente tomou conta da cidade e deve ter espantado as autoridades da época, quando marchas e corais começaram a anunciar em Leipzig, em 1989, o fim da era da República Democrática Alemã, a antiga Alemanha Oriental. Partindo de missas e manifestações na igreja Nikolaikirche e nas suas imediações, desenvolveu-se um movimento que derrubou o regime em apenas poucos meses. Um dos motivos para isso foi, sem dúvida, o fato de que a notória central da odiada "Stasi", a Segurança do Estado da antiga RDA, tinha sua sede em Leipzig, no prédio conhecido como "Haus zur runden Ecke". Uma exposição que merece ser visitada documenta o trabalho dos espiões da Stasi – um capítulo nada honroso da história alemã recente, mas que não deve ser esquecido. Para voltar ainda mais na história, mais precisamente algumas centenas de milhões de anos, é preciso visitar o Zoológico de Leipzig. Aqui, a "Gondwanaland" convida a fazer uma viagem tropical pela história geográfica do planeta, quando o supercontinente Gondwana ocupava o hemisfério sul. Voltando aos dias de hoje, a sugestão seria um passeio pelas lojas e bistrôs da cidade. Em torno da praça do mercado, nos becos idílicos do centro histórico, a oferta de antiquários e livrarias bem sortidas, ou de butiques chiques e lojiinhas, atende a todos os gostos. Mas não se surpreenda se você ouvir de vez em quando uma ou outra melodia – afinal, você está em Leipzig.

Principais atrações das cidades

Do algodão para a cultura: 100 ateliês de arte, onze galerias, oficinas arquitetos, designers, ourives e estilistas, um centro internacional de dança e coreografia, e ainda muito mais se instalou na antiga fiação de algodão. Foi aqui também que surgiu a famosa Leipziger Maler-Schule, a Escola de Pintura de Leipzig ao redor de Neo Rauch.

Da antiga fábrica, que havia se tornado a maior fiação de algodão da Europa no início do século XX, foi criado 100 anos mais tarde um dos mais interessantes centros de produção e exposição de arte e cultura contemporâneas na Europa.

Leipziger Messe é o centro de feiras e convenções da cidade, e um dos centros de feiras mais antigos do mundo. O lugar foi sempre um palco importante para o comércio e mudanças significativas, e na época da Alemanha Oriental, duas vezes por ano, a Leipziger Messe era a mais importante vitrine do lado ocidental para o lado oriental – e vice-versa. Com o novo espaço da feira, a cidade ganhou também uma área nova para a arte: mais de 20 artistas famosos criaram, especialmente para a feira, salas, paredes, papéis de parede, escadarias, esculturas e outras obras permanentemente integradas à construção.

Em 1525, o médico e professor Heinrich Stromer von Auerbach instalou um balcão para servir estudantes no porão da sua casa, explicando que "vinho é uma excelente profilaxia contra todo tipo de males, se for usado corretamente". Hoje, o "porão do Auerbach", ou "Auerbachs Keller" é o bar mais famoso de Leipzig e um dos mais famosos do mundo. Uma das casas de vinho preferidas da cidade já no século XVI, o Auerbachs Keller agradece sua fama principalmente a Johann Wolfgang von Goethe, que era assíduo frequentador do local enquanto estudava. Desde que existe, o Auerbachs Keller serviu cerca de 91.980.000 clientes.

Exibir mais