• 0

Koblenz: o famoso Deutsches Eck e a mais bela herança alemã.

No encontro dos rios Reno e Mosela, mundialmente conhecido como Deutsches Eck, fica uma das cidades mais antigas e mais bonitas cidade da Alemanha: Koblenz. Quatro serras, vinhedos e florestas formam um cenário singular em torno da cidade, cuja história de 2.000 anos se retrata em suas maravilhosas igrejas e castelos, antigas mansões da nobreza e imponentes mansões.

Os antigos romanos já apreciavam a extraordinária paisagem do Vale superior do Médio Reno, assim como a Ordem Alemã, e a UNESCO também reconheceu a beleza exuberante dessa região, classificando-a como patrimônio mundial. Faz parte desse patrimônio também o Deutsche Eck, no encontro dos rios Reno e Mosela, cujo nome é oriundo dos cavaleiros da Ordem Alemã. Um lugar impregnado de história que foi escolhido, em 1891, pelo Kaiser Guilherme II como localização ideal para um monumento especial: ali seria erguida a merecida homenagem a seu avô, Guilherme I, o unificador do Império Alemão. Mas, assim como do Império Alemão, restaram do monumento também apenas ruínas em 1945. O pedestal foi dedicado pelo presidente da República Federal Alemã, Theodor Heuss, em maio de 1953, à unidade alemã. Finalmente, em 1993, o monumento foi reconstruído e erguido novamente sobre o pedestal, onde impera orgulhoso com 37 metros de altura sobre o Reno e o Mosela – uma atração para mais de dois milhões de visitantes por ano. Do outro lado do Reno, eleva-se a fortaleza Ehrenbreitstein, a segunda maior muralha de castelo conservada na Europa. Dali, a cerca de 120 metros acima do Reno, se tem a melhor vista da cidade. Logo atrás da fortaleza encontra-se a área da Exposição Nacional de Jardinagem, o Bundesgartenschau, de 2011, hoje uma popular área de lazer e eventos. Foi conservado também o teleférico que leva o visitante de volta à margem esquerda do Reno, ou seja, de volta ao melhor ponto de partida para um passeio pelo belo centro histórico da cidade.

Ali, o estilo de vida francês e a tradição alemã criaram um ambiente propício para o surgimento de adegas aconchegantes, uma culinária requintada, mas também substancial, e uma cordialidade natural. Turistas de todo mundo vão a Koblenz para passear pelas ruas estreitas e curtir o charme de cantinhos românticos e praças encantadoras. Um roteiro pelo centro histórico pode começar, por exemplo, pelas Quatro Torres, como são chamadas as janelas salientes das casas barrocas de esquina no cruzamento central. Na sentinela principal de 1689, canhões, mosquetes e clarins lembram os soldados que exerciam aqui suas funções. O passeio continua em direção à fonte Schängelbrunnen, o segundo símbolo da cidade: ela fica no pátio da prefeitura e lembra o período por volta de 1800, quando Koblenz pertencia à França e muitos meninos eram batizados com o nome de Jean – que no dialeto local acabou por se tornar "Schang", e mais tarde "Schängel". Alguns desses meninos eram provavelmente muito levados, pois a figura no chafariz lança um jato de água para bem longe em intervalos irregulares. Vale a pena ver também o Deutscher Kaiser, que não é outro monumento imperial, apesar do nome, mas sim uma torre residencial gótica, onde hoje está instalada, no térreo, um simpático restaurante. Depois de um bom copo de vinho, um passeio de barca até o castelo Schloss Stolzenfels é a maneira perfeita de terminar o dia: passando pelo castelo Kurfürstliches Schloss, o roteiro leva a uma das obras artístico e historicamente mais interessantes da antiga Prússia. Mas os habitantes de Koblenz apreciam também a arte contemporânea, como provam o museu Ludwig, próximo ao Deutsches Eck: a coleção concentra-se na arte pós 1945 e mostra, entre outros, obras de Pablo Picasso, Jean Dubuffet, Pierre Soulages e Serge Poliakoff. Um contraste maravilhoso: arte moderna entre muralhas medievais, clássicos da arte moderna em um centro histórico encantador. E você com certeza se encantará ao visitá-lo.

Principais atrações das cidades

O nome parece típico para um bar alemão, mas descreve um pedaço de terra no encontro dos rios Reno e Mosela. Quando a Ordem Germânica se estabeleceu na confluência do Reno e do Mosela, no ano de 1216, o lugar foi batizado com esse nome e foi feito um monumento em homenagem ao imperador Guilherme I pela união do reino. Ele foi inaugurado em 1897, destruído em 1945, declarado monumento à Unificação Alemã em 1953 e reconstruído em 1993. Hoje, o monumento de 37 metros de altura atrai mais de 2 milhões de visitantes todos os anos e foi incluído em 2002 na lista do patrimônio mundial da UNESCO.

Do alto da fortaleza, 118 metros acima do Reno, a vista de Koblenz é talvez a mais bonita, vendo-se as encostas de vinhedos em torno e o encontro do Reno e do Mosela. A fortaleza Ehrenbreitstein, a segunda maior fortaleza conservada na Europa, foi construída na sua forma atual entre 1817 e 1828. Sua origem, porém, remonta ao ano 1000 e recentes descobertas arqueológicas apontam até mesmo uma povoação no período antes de Cristo. Essa jóia sem igual no Reno está praticamente intacta e pode ser visitada, assim como algumas áreas das escavações.

O majestoso castelo Stolzenfels está situado na região onde antes de encontravam os limites dos eleitorados de Trier, Mainz e Colônia. O castelo é hoje uma obra notável e peça indispensável do romantismo do Reno. Nele, é possível visitar os prédios dos portões, a torre gótica da residência, o salão de baile com a sala dos cavaleiros medievais, o jardim com pérgola e a torre de menagem. O castelo está parcialmente decorado com móveis, quadros e esculturas dos séculos XVI a XVIII; a sala de cavaleiros possui uma coleção de armas e bandeiras históricas. Vale a pena ver também as pinturas nas paredes da capela, um dos ciclos de pinturas mais bem conservados da escola de pintura de Düsseldorf. Leia mais

O Vale do Alto Médio Reno é uma das paisagens mais antigas e mais bonitas em toda a Europa, e considerada sinônimo do romantismo do Reno e de castelos. A grande variedade e beleza do Médio Reno foi reconhecida também pela UNESCO e os cerca de 65 quilômetros entre Koblenz e as cidades de Bingen e Rüdesheim foram incluídos na lista do patrimônio mundial. É extraordinário também o número de burgos, castelos e fortalezas: cerca de 40 deles entre Koblenz e Bingen dão testemunho da importância estratégica do Reno já nos primeiros séculos. Leia mais.

Exibir mais